Regresso do moto GP a Portugal

Já esteve mais longe! Regresso do MotoGP a Portugal acontece em 2022

Reuniões decisivas durante o Grande Prémio da Catalunha entre responsáveis governamentais, Dorna, e Federação Internacional de Motociclismo permitiram desbloquear o regresso de Portugal ao calendário do Mundial de Velocidade. Esse regresso está alinhado para acontecer em 2022... mas até pode acontecer antes do previsto!

andardemoto.pt @ 17-6-2019 21:00:00

       26 Partilhas

O regresso do Mundial de Velocidade a solo nacional é algo que todos os fãs do motociclismo de competição desejam ver concretizado, e depois de algumas indicações de movimentações nos bastidores para que isso viesse a acontecer, durante o Grande Prémio da Catalunha, que se realizou no passado fim de semana no circuito de Montmeló, as mais altas instâncias estiveram reunidas para finalmente iniciar as negociações oficiais para que voltemos a poder assistir às melhores corridas de motos do mundo em Portugal.

No circuito catalão marcaram presença o português Jorge Viegas, presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), Carmelo Ezpeleta, CEO da Dorna, e também João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e Desporto.


Carmelo Ezpeleta, CEO da Dorna

E foi precisamente a presenta deste representante governamental que permitiu desbloquear a situação, com João Paulo Rebelo a mostrar-se bastante confiante no regresso de MotoGP a Portugal, e que no caso disso acontecer, o Governo irá dar todo o apoio necessário para que isso se confirme

“Uma organização desta envergadura terá, certamente, o apoio do Governo, sob dois prismas. Do ponto de vista desportivo é evidente que é importante, como é igualmente muito importante do ponto de vista económico, particularmente quando falamos de turismo”, afirmou o secretário de Estado da Juventude e Desporto à agência Lusa.

Com as negociações a entrarem agora numa via mais oficial, e em declarações à Sport TV, Carmelo Ezpeleta também confirma que a Dorna está muito interessada em voltar a ter Portugal no calendário. O espanhol, CEO da Dorna, aponta para o regresso de MotoGP a Portugal aconteça em 2022.

Jorge Viegas, presidente da FIM

Claro que para que esta situação fosse desbloqueada muito terá contribuído a posição relevante de Jorge Viegas. O antigo presidente da Federação de Motociclismo de Portugal, e que recentemente chegou à posição de máximo dirigente da FIM, entidade que rege o motociclismo a nível mundial, é daqueles que se mostra mais confiante que o processo irá terminar mesmo com o regresso do Mundial de Velocidade a terras lusas, frisando que no entanto é necessário existir um contrato assinado

“A reunião correu muito bem. A partir de 2022 há uma série de contratos a terminar e é quando existe a possibilidade de Portugal entrar. Tem é de haver um contrato firmado e, para que isso aconteça, é necessário o apoio do Governo”, começou por dizer Jorge Viegas, que depois deixou uma certeza: “Mas o MotoGP vai mesmo voltar para Portugal!”.

Se o Governo ajudar a garantir o dinheiro que permite o regresso do Mundial de Velocidade ao nosso país, e tudo aponta para isso, existe no entanto a dúvida sobre qual será o palco escolhido para esse regresso tão aguardado.

O Autódromo do Estoril foi sempre a casa do Mundial de Velocidade até este campeonato deixar de nos visitar. Entretanto o Autódromo Internacional do Algarve, nascido em 2008, foi ganhando importância em termos de visibilidade, recebendo, quase sem interrupções, o Mundial Superbike e uma prova do Mundial Resistência (12 Horas de Portimão).

Há quem defenda que o circuito algarvio será a opção acertada para o regresso de MotoGP. Instalações recentes, um traçado elogiado por todos os pilotos que o visitam, e também a enorme vontade e esforços que Paulo Pinheiro, administrador do AIA, tem desenvolvido para assegurar MotoGP em Portimão.

Por outro lado, há quem diga que o circuito “colado” à Serra de Sintra é a melhor opção. A seu favor tem o facto de oferecer melhor acessibilidade, especialmente devido ao facto de ficar a menos de meia hora do aeroporto de Lisboa.

Mas a opção em relação a esta matéria não está ainda tomada, e Jorge Viegas parece ter uma solução diferente para este “problema”.

O presidente da FIM confidenciou que durante as negociações que ocorreram em Barcelona, existe a forte possibilidade de acontecer uma alternância entre circuitos. Isso permitiria tanto ao Autódromo do Estoril como ao Autódromo Internacional do Algarve receberem tanto o Mundial Superbike como o Mundial de Velocidade, com alternância entre ambos a cada ano. Uma solução interessante e que poderia criar uma dinâmica diferente entre estes dois campeonatos mundiais.

Se 2022 é o ano em que, tudo aponta, teremos MotoGP de regresso a Portugal, a verdade é que o nosso país pode vir a receber esta competição mais cedo do que essa data.

Carmelo Ezpeleta confirmou que Portugal está na lista de países de reserva no caso de algum circuito que está no calendário até 2021 não cumprir com os requisitos, tendo assim de sair do calendário.

Neste caso, Jorge Viegas confirma que isso até poderia ter acontecido já em 2019, e só não se verificou porque o circuito britânico de Silverstone começou as obras de reasfaltamento do circuito. Se houver necessidade de Portugal entrar no calendário até 2021, o circuito escolhido será o Autódromo Internacional do Algarve.

Do sonho à realidade já não falta muito, e cada vez estamos mais perto de poder apoiar Miguel Oliveira numa corrida de MotoGP em Portugal!

andardemoto.pt @ 17-6-2019 21:00:00


@ 18-6-2019 18:56:00


Mais

KTM 390 Adventure em fase final de desenvolvimento - A variante 390 cc da KTM Adventure é um dos modelos mais aguardados pelos fãs da marca austríaca, e o protótipo de desenvolvimento foi apanhado numa sessão de testes por estradas indianas.

KTM 390 Adventure em fase final de desenvolvimento - A variante 390 cc da KTM Adventure é um dos modelos mais aguardados pelos fãs da marca austríaca, e o protótipo de desenvolvimento foi apanhado numa sessão de testes por estradas indianas.

Já não é segredo para ninguém que a KTM está a preparar a chegada de uma variante mais pequena da sua Adventure, e a apresentação oficial é esperada para acontecer no próximo Salão de Milão EICMA. Mas, até lá, a KTM 390 Adventure terá de passar por um rigoroso programa de testes e desenvolvimento antes de passar à produção.Recentemente o protótipo usado pela KTM nos testes de desenvolvimento foi apanhado às portas da fábrica da Bajaj na India, marca indiana que tem uma parceria com a KTM para desenvolvimento de diversos modelos.O design está claramente colado às versões maiores da gama Adventure, particularmente à nova 790 Adventure que foi recentemente introduzida no mercado nacional. O ecrã frontal é de dimensões generosas para maior proteção aerodinâmica, o assento é praticamente plano, ao bom estilo das verdadeiras trail, embora a KTM tenha tido o cuidado de desenhar uma secção frontal mais baixa para ajudar a chegar com os pés ao solo.De acordo com o website italiano Insella, que divulgou esta imagem, a KTM 390 Adventure contará com um painel de instrumentos específico para as aventuras fora de estrada, incluindo altímetro e bússula.Quanto ao motor, não será expectável que a KTM altere em demasia o monocilíndrico de 373,2 cc que já conhecemos da naked Duke. A potência deverá manter-se nos 43 cv e o binário nos 37 Nm.Com suspensões a cargo da WP, mas de curso mais longo, a KTM 390 Adventure deverá ainda ter um conjunto de ajudas eletrónicas específicas para utilização fora de estrada, onde destacamos o ABS que, quase de certeza, e tendo em conta o historial da KTM, contará com um modo “off-road” em que o sistema deixa de atuar na roda traseira.Ainda de acordo com o mesmo website italiano, a KTM pretende colocar a 390 Adventure à venda no final de 2019, sendo que apontam para um preço de 5700 euros, valor que, obviamente, deverá ser diferente quando a 390 Adventure chegar ao mercado português.andardemoto.pt @ 29-4-2019
29-4-2019 12:55:00